Google+ Badge

Google+ Followers

Se você procura um serviço de tradução português-espanhol profissional e de máxima qualidade, podemos ajudar-lhe...

segunda-feira, 21 de maio de 2012

LOS LATINISMOS





Al espigar la procedencia idiomática de las voces extranjeras aposentadas en la lengua española, asombra un poco el hallazgo de un selecto ramillete de palabras y locuciones latinas, que impregnan de un suave aroma añejo el docto y culto lenguaje de los científicos, economistas, jurisconsultos, filólogos y otros, y el más popular de los deportistas.

Hay unos cuantos vocablos latinos que llevan resistiendo varios siglos, muy pegaditos al terreno, con hechuras y aires de rebosar salud y lozanía. Otros han resucitado en los últimos tiempos, merced a la predilección mostrada por intelectuales y técnicos sajones, que los han trasplantado, a través de sinuosos y largos vericuetos, a nuestro idioma.

Es que quizá estos latinismos poseen un algo especial, como un perfume delicado de flor silvestre, que trasciende al frío ambiente matemático y financiero, e incita tentadoramente a los tecnócratas a usar de continuo expresiones como "ratio", "deficit", "superavit", "addendum", "per capita", "curriculum vitae", "ad valorem", "memorandum", mientras se reúnen para tratar cualquier tema abstruso en un "symposium" o en un "forum".


Todo el mundo sabe que la mayoría de las Juntas Generales de las empresas se celebran en primera o segunda convocatoria, según haya o no "quorum". Y así infinidad de ejemplos.

Tampoco los deportistas escapan a esta especie de sortilegio. Los aficionados ciclistas van al "stadium" a asistir al "criterium" o al "omnium", con la secreta esperanza de que sus ídolos se escapen y no lleguen "exaequo" con el pelotón. Ese el el "quid" de la cuestión. Subir al "podium". Siempre bajo el lema "mens sana in corpore sano".

Los médicos no les andan a la zaga. Hablan a troche y moche de fecundación "in vitro", "delirium tremens", "in artículo mortis", "in extremis", "corpore in sepulto", "post mortem", tras encontrar el "modus operandi" apropiado. "Alea jacta est".

Los catedráticos más renombrados hablan a veces "ex cathedra", aspiran a la distinción de doctor "honoris causa" o a la nota de sobresaliente "cum laude" en su última tesis. Odian los "numerus clausus". Al "pater familias" le corresponde ser "senior", y a su hijo, "junior". Los leguleyos, aprovechando que el asunto está "sub judice", manejan el "desideratum", los conceptos de "facto" y de "iure", el "habeas corpus" y el "pro indiviso". De paso alcanzan un "statu quo" con sus colegas, tras superar más de un "quid pro quo".

El Papa recibe a los Obispos en sus visitas "ad limina" en su "Sancta Santorum" del Vaticano. Tiene a más de uno de ellos como futuro Cardenal "in pectore". Bajan después a la Basílica a escuchar las voces armoniosas de la "Schola Cantorum". José María Escrivá es el glorioso fundador del "Opus Dei", "per secula seculorum". "Ora pro nobis". A la clase política no se le dan bien los latines. Apenas si subsiste "referendum".

No hay nada como encontrarse "ad libitum", ganar algún premio, aunque sea "accesit", recordar con complacencia las cosas buenas acaecidas "in illo tempore", olvidarse pronto de las personas "non gratas", y del reciente "ultimatum" en cualquiera de los "casus belli" del próximo Oriente. Y sobre todo, no sufrir a la vuelta del trabajo un accidente "in itinere", al tiempo que uno se regodea de gusto al contemplar a la policía coger a un ladrón "in fraganti". "Sursum corda".

En mi libro "Diccionario de extranjerismos", editado en 1985, se censan nada menos que dos mil cuatrocientas voces extranjeras, de las cuales ciento cuatro son latinismos. Claro está que el latinismo no debe ser considerado ni tratado como un rapaz extranjerismo, sino como reliquia venerable de una lengua otrora universal, madre ubérrima de la lengua española y de otras lenguas muy queridas.

No nos resistimos a citar, aunque sea de pasada, algunas voces latinas más, de uso frecuente, que componen un "totum revolutum": "ad hoc", "alter ego", "a posteriori", "a priori", "ex profeso", "factotum", "grosso modo", "in albis", "in mente", "in situ", "ipso facto", "manu militari", "maremagnum", "motu propio", "peccata minuta", "rara avis", "sine die", "sine qua nom", "sui generis", "vox populi". "Etcetera". Son voces que luchan con denuedo por sobrevivir.

La formación humanística de varias generaciones de técnicos, filólogos y letrados estudiosos, ha producido y fomentado esta prodigiosa supervivencia. Estaba bien visto el darse a los latines. A nadie puede parecer mal utilizar los aderezos maternos para realzar y hermosear nuestras propias galas. Todas estas voces tienen su palabra equivalente española, a veces de escritura muy similar, cual corresponde a hijas bien nacidas. Claro que tampoco conviene abusar.


La tendencia, sin embargo, es a ir menguando esta presencia cotidiana. El latín ha sufrido serios atropellos en los planes de educación secundaria y universitaria. Ya tenemos técnicos, filólogos, filósofos e historiadores, que no saben nada de latín. La Iglesia experimenta un proceso parecido. Las misas ya no se dicen en latín. El pueblo cristiano lo ha olvidado. Hay menos curas. Han desaparecido los monaguillos, que soltaban latinajos por doquier. Decididamente, la cosa va a peor.

Como "post data", diremos que un centenar de latinismos pulula a sus anchas por el idioma español, pero el recorte de las enseñanzas de griego y latín en nuestras Humanidades, les está minando su futuro. Nuestras reflexiones tocan por hoy a su fin. "Consummatum est".

Juan José Alzugaray

TRADUÇÃO TÉCNICA E CIENTIFICA



Serviços linguísticos - Traduções Técnicas Especializadas




Atualmente, na era da globalização, as empresas divulgam, intercambiam e gerenciam grandes quantidades de dados técnicos a traves de sites, manuais de instruções, artigos técnicos de seus produtos, folhetos, anúncios em revistas especializadas; documentos industriais de uso externo e interno da empresa, catálogos de peças, além dos documentos de tipo técnico jurídico (patentes, garantias, normas técnicas, etc.).
Cada um destes documentos forma parte de sua imagem e compromete à empresa frente a seus clientes, fornecedores, e stakeholders. Os erros neste campo podem ter normalmente graves consequências ou gerar onerosos ressarcimentos.
No campo do marketing técnico podem como mínimo prejudicar seus planos de expansão no mercado internacional.
Eu mesmo, na minha etapa de engenheiro comercial tive que sugerir correções ou alterar traduções sobre diversas informações de tipo técnico que poderiam entorpecer minhas atividades de venda.
Apesar de que ninguém duvida da sua importância para o mercado, existem ainda poucos estudos na área acadêmica da Tradução orientados a obter uma melhor compreensão dos mecanismos desta área.
Alguns destes e outros temas são tratados por Jody Byrne (2006) em seu livro Technical Translation: Usability Strategies for Translating Technical Documentation.
Existem também alguns artigos interessantes como: Lenguajes de Especialidad y Traducción Especializada. La Traducción Juridica. do Dr.Roberto Mayoral Asensio da Universidade de Granada; que procuram aportar luz sobre o tema. Ver:http://www.ugr.es/~rasensio/docs/LSP_y_traduccion.pdf
Os textos de engenharia utilizam uma grande quantidade de termos muito específicos e muitas vezes polissêmicos. Frequentemente, um termo mecânico pode traduzir-se de muitas formas distintas dependendo do contexto, da intenção da frase ou do tipo de subsistema mecânico. Em muitos casos, incluso, não existe uma tradução conhecida ou rotineiramente aceitada para um determinado termo técnico, o que obriga a um esforço de reinterpretação do contexto e seleção ou criação dum termo ou expressão equivalente no idioma de destino que reflete adequadamente a intenção do original. Da experiência e os conhecimentos do tradutor depende a correta interpretação do uso de cada palavra e a eleição do termo traduzido mais apropriado, e incluso, em alguns casos, a adoção duma nova tradução.
É essencial a capacidade de compreender e traduzir conceitos técnicos. Um tradutor generalista ou um filólogo poderiam não contar com as habilidades ou conhecimentos necessários para redigir corretamente manuais técnicos ou de pós venda; e assim ser perfeitamente entendidos num mercado internacional.
Nenhum tradutor é capaz de dominar todas as áreas técnicas. Embora sim, resulta possível ter um conhecimento significativo sobre uma serie de áreas técnicas e sua terminologia.
No caso da língua espanhola, existem no mercado distintos dicionários que agrupam diferentes disciplinas técnicas com uma terminologia comum como: DICCIONARIO TERMINOLÓGICO DE INFORMÁTICA, ELECTRÓNICA Y TELECOMUNICACIONES, - DICCIONARIO TERMINOLÓGICO DE CIENCIAS ECONÓMICAS Y EMPRESARIALES, - DICCIONARIO TERMINOLÓGICO DE MÁRKETING Y LOGÍSTICA, - DICCIONARIO TERMINOLÓGICO DE LA INDUSTRIA AUTOMOTRIZ Y DEL TRANSPORTE, etc.
A sua vez, o Comité de Terminología Del Instituto de la Ingenieria de España há editado um glossário. Este glossário recolhe as propostas de termos técnicos da engenharia realizadas para sua incorporação no dicionário da Real Academia Española e outros dicionários técnicos, desde a criação do comitê em 1988 até nossos dias. O glossário inclui novas vozes, novas acepções a vozes já existentes, assim como modificações nas definições incorporadas no RAE de termos técnicos.
Se utilizam as marcas técnicas e abreviações da vigésima segunda edição do Diccionario de la Lengua Española de la RAE.
Existem estudos que demonstram que o vocabulário técnico só representa dos 5% aos 10% do conhecimento necessário para a tradução técnica.
Este conhecimento, combinado com sólidas atitudes para a pesquisa e um bom estilo de escritura, pode garantir uma tradução excelente, não só no âmbito técnico no qual o tradutor é especialista, senão também em áreas relacionadas.

MARKETING TÉCNICO
A tradução de textos de marketing técnico é uma das especialidades de tradução mais dificílimas e delicadas. Neste tipo de textos, a qualidade de redação e a imaginação e criatividade linguística do tradutor adquirem uma importância suprema.
Os textos de marketing técnico utilizam habitualmente termos e expressões próprios do contexto publicitário que quase nunca podem se traduzir diretamente, senão que obrigam a reinterpretar o texto e formulá-lo de novo com palavras diferentes, mas transmitindo a mesma ideia, uma característica que se complica ainda mais ante o uso da ambiguidade como ferramenta expressiva, um recurso muito frequente em publicidade e marketing.
Para traduzir corretamente este tipo de textos, é indispensável entender perfeitamente todos os matizes dos documentos originais, nos quais se manejam detalhes técnicos complexos ou se mencionam conceitos de origem forâneo para os quais não existem ainda traduções conhecidas. Por isso o tradutor especializado em marketing deve combinar uma magnífica qualidade de redação com um profundo conhecimento da matéria técnica correspondente. Só dessa maneira é possível converter um texto numa poderosa ferramenta de venda.

Que procurar num serviço de tradução técnica?
A reputação e a experiência são dois elementos clave à hora de procurar o melhor serviço de tradução técnica que se adapte a suas necessidades de forma satisfatória. Procure uma agencia ou um profissional da tradução que possua uma boa e merecida reputação no tempo e tenha experiência em quanto a serviços de tradução técnica. Invista algum tempo revisando alguns dos projetos realizados com anterioridade e procure algum tipo de feedback de pessoas que contrataram seus serviços previamente.

Tanto a língua como a tecnologia são elementos dinâmicos em permanente evolução.

Finalmente lembre: Quando de tradução técnica se trata, você pode confiar em Magna...

FUNDÉU RECOMIENDA...


Recomendación del día


provisionar no es lo mismo que aprovisionar

El verbo provisionar, propio de las jergas empresarial y jurídica, es 'hacer provisión' (de una cantidad determinada), 'hacer provisión de fondos' (para algo), según se indica en el Diccionario del español actual, y, por lo tanto, no es adecuado emplearlo en lugar de aprovisionar.

El verbo provisionar se usa en el ámbito económico y jurídico, como en: «El Deutsche Bank debe provisionar 47 millones para cumplir con la reforma», «La banca tendrá que provisionar 28 000 millones más por el ladrillo sano».

Por su parte, aprovisionar, que significa 'abastecer', tiene un sentido más general: «La avería de gas afectó en un primer momento a 500 familias, muchas de las cuales tuvieron que aprovisionarse de estufas eléctricas».
Se procura um serviço de máxima qualidade e profissionalidade, podemos ajudar-lhe