Google+ Badge

Google+ Followers

Se você procura um serviço de tradução português-espanhol profissional e de máxima qualidade, podemos ajudar-lhe...

segunda-feira, 11 de maio de 2009

DICAS PARA ALCANÇAR UMA COMUNICAÇÃO EFICAZ


  

Autor: Eng. Carlos Mora Vanegas

Comunicação organizacional

 

Para entender se com os demais, primeiro tem que saber escutar a você mesmo.

É muito importante saber manejar a comunicação, expressar se com eficácia a fim de alcançar resultado favorável quando fazemos uso dela. A comunicação eficaz entre duas pessoas se produz quando o receptor interpreta a mensagem no sentido que pretende o emissor.

Portanto, não nos surpreende que se exponha que comunicar não significa falar muito, senão expressarmos como somos, com uma linguagem entendível, singela, respeitando nossa pessoalidade, autenticidade sem imitar a ninguém, saber utilizar técnicas de persuasão, entonação da voz, gesticulação. Quando nos comunicamos, escutamos e emitimos uma resposta acorde a nossos próprios sentimentos e pensamentos. Esta conduta responde a nossos estados internos.

Neste escrito, selecionamos algumas dicas que se recomenda considere em prol de lograr uma boa comunicação, a saber:

• As posturas e os gestos cobram grande importância para reforçar a persuasão. Tem que tomar muito em conta e decifrar os movimentos do interlocutor e o controle dos próprios.

• Um bom comunicador jamais se encontra sem palavras. Trate de evitar os silêncios, de rechear cada pausa com um incessante blá-blá.

• As conversações que não criam realidade, não geram ação.

• Quem perde o tempo com falas vazias fica fora do jogo e não se informa de nada.

• Evite usar palavras inúteis, aproveitar bem sua energia. Utilizada com cuidado e atenção a conserva e reforça. Use entonações adequadas e pausas como instrumentos de bem estar.

• Saber manejar o silencio. Sem silencio não há comunicação. Entre duas palavras há sempre um intervalo, que a miúdo expressa mais que as mensagem orais. Treine se em modular e escutar estas pausas para que as palavras que saiam de sua boca sejam manifestações vibrantes, eloqüentes, em sintonia com a realidade do momento que se está vivendo.

• Observe se. Significa centrar se em si mesmo, não no que possa pensar a pessoa que tem a frente. É um verdadeiro de fora para dentro, uma situação ao mesmo tempo de distancia emocional e de presença consciente: estar sem julgar.

• Libere se das tensões, relaxe-se, O cérebro se atormenta para encontrar as palavras certas e o corpo se carrega de tensão, quando está estressado.

• Não faça uso de palavras inúteis.

• Quando se fala muito não se diz nada.

• Saiba escutar; a falta de comunicação que se sofre hoje em dia se deve em grande parte a que não se sabe escutar aos demais. Está-se mais tempo pendente das próprias emissões, e nesta necessidade própria de comunicar se perde a essência da comunicação, é dizer, ter em comum, compartir com os demais. Existe a crença errônea de que se escuta de forma automática, porém não é assim. Escutar requer um esforço superior ao que se faz ao falar e também do que se exerce ao escutar sem interpretar o que se ouve.

• Maneje exitosamente a escuta ativa. Esta significa escutar e entender a comunicação desde o ponto de vista do que fala.

• Tenha bem claro a diferença entre ouvir e escutar. Ouvir é simplesmente perceber vibrações de som. Entanto que escutar é entender, compreender ou dar sentido ao que se ouve. A escuta efetiva tem que ser necessariamente ativa, por cima do passivo. A escuta ativa se refere à habilidade de escutar não só o que a pessoa está expressando diretamente, senão também os sentimentos, idéias ou pensamentos que estão por traz do que se está dizendo. Para chegar a entender a alguém se precisa mais que empatia, é dizer, saber se por no lugar da outra pessoa.

• Escutar ativamente as emoções dos demais é tratar de "metermos em sua pele" e entender seus motivos. É escutar seus sentimentos e fazer lhe saber que "nós fazemos cargo", tentar entender o que sente essa pessoa. Não se trata de mostrar alegria, nem sequer de ser simpáticos. Simplesmente, que somos capazes de nos por em seu lugar. Sem embargo, não significa aceitar ou estar de acordo com a posição do outro. (psicologia on-line. com).

• A curva da atenção se inicia num ponto muito alto, diminui à medida que a mensagem continua e volta a ascender ao final da mensagem, há que tratar de combater esta tendência fazendo um esforço especial na metade da mensagem com objetivo de que nossa atenção não enfraqueça.

- Não interromper ao que fala.
- Não julgar.
- Não oferecer ajuda ou soluções prematuras.
- Não rejeitar o que o outro esteja sentindo, por exemplo: "não se preocupe, isso não é nada".
- Não contar "sua historia" quando o outro necessita falar lhe.
- Não contra-argumentar. Por exemplo: o outro diz "me sinto mal" e você responde "e eu também".
- Evitar a “síndrome do experto": já tem as respostas ao problema da outra pessoa, antes inclusive de que te conte a metade.   (psicología-on-line. com).

• Saber Parafrasear. Este conceito significa verificar ou dizer com as próprias palavras o que parece que o emissor acaba de dizer. É muito importante no processo de escuta já que ajuda a compreender o que o outro está dizendo e permite verificar se realmente se está entendendo e não mal interpretando o que se diz. Um exemplo de parafrasear pode ser: “Então, segundo vejo, o que passava era que...”, “¿Quer dizer que você sentiu...?”.

• Emitir palavras de reforço ou elogios. Podem definir se como verbalizações que supõem uma amabilidade para a outra pessoa ou reforçam seu discurso ao transmitir que você aprova, está de acordo ou compreende o que se acaba de dizer. Alguns exemplos são: "Isto é muito divertido"; "Me encanta falar com você" ou "Deves ser muito bom jogando tênis". Outro tipo de frases menos diretas serve também para transmitir interesse pela conversação: "Bom", "Umm" ou " Ótimo!".

• Saber resumir

• No falar do passado

• Evitar as generalizações

• Ser específico.

• Cuidar a comunicação não verbal. Para isso, consideraremos o seguinte:

- A comunicação não verbal deve de ir acorde com a verbal. Dizer “já sabes que te quero" com rosto de aborrecido deixará á outra pessoa pior que se não falar nada.

- Contacto visual. É a porcentagem de tempo que se está mirando aos olhos da outra pessoa. O contato visual deve ser freqüente, mas não exagerado.

- Afeto. É o tom emocional adequado para a situação na que se está interatuando. Baseiam-se em índices como o tom de voz, a expressão facial e o volume de voz (não muito alto ou muito baixo).

Tenha presente, como se comenta, que não todos os seres humanos somos iguais, portanto não respondemos de igual maneira aos mesmos estímulos, isso implica que não podemos tratar a todas as pessoas do mesmo jeito. Só se estamos atentos às respostas que geramos e somos suficientemente flexíveis para modificar nosso comportamento cada vez que nos afastamos da meta, poderemos aumentar as possibilidades de comunicar-nos eficazmente.

 

 

 

Se procura um serviço de máxima qualidade e profissionalidade, podemos ajudar-lhe